Menu Criativo

21/03/2019

Alimentos para se Manter Saudável no Outono/Inverno
21.3.190 Comentários
Durante os meses de Inverno podemos ficar mas frágeis e suscetíveis a algumas doenças como as gripes e constipações. Além disso, o frio e os dias chuvosos, com menos horas de luz, levam-nos a modificar as nossas rotinas e a tendência é praticar menos atividade física e a procurar alimentos que fornecem mais energia, ou seja, mais ricos em calorias e em açúcar e gordura. 


Para nutrir o nosso corpo de forma passar um inverno saudável e com mais vitalidade, é importante fazer escolhas alimentares equilibradas e variadas e incorporar alguns alimentos chave no dia alimentar, sem esquecer a água.
Nos meses mais frios a hidratação adequada não deve ser esquecida. É igualmente importante, ao longo dos meses de Inverno, mantermos o nosso corpo bem hidratado. Apesar do frio e da diminuição da sensação de sede, isto não significa que precisamos de beber menos água.
A ingestão correta de água é essencial para o bom funcionamento do organismo, a eliminação de toxinas, para o transporte de nutrientes e para melhor proteger a pele e as mucosas.

Além da água, é possível optar pelos chás e infusões, de preferência sem adição de açúcar e privilegiar o consumo de alimentos ricos em água, como as hortaliças, frutas e a sopas.
É bom salientar que a sopa de legumes é uma excelente aliada para combater o frio, saciar e proteger o organismo das gripes e constipações. Estes benefícios da sopa devem-se à sua riqueza em água e em diferentes vitaminas, minerais e antioxidantes.

A vitamina C, a vitamina E, o betacaroteno e mineiras - como o selênio e o zinco - desempenham um importante papel no fortalecimento do sistema imunológico.
Uma alimentação rica nestes nutrientes vai contribuir para a prevenção das gripes, assim como ajudar o corpo a responder de forma mais rápida e eficaz a estas situações.

No que diz respeito às frutas, consumo ideal é de pelo menos 3 porções por dia, e que uma das frutas seja rica em vitamina C - Laranjas, tangerinas, kiwis, romãs e frutos vermelhos como framboesas, amoras, mirtilos e morangos.

Ainda, é importante lembrar que o alho a cebola são dos melhores condimentos. Estes alimentos são poderosos anti-inflamatórios e contêm propriedades antivirais e antibacterianas ajudando, por isso, a fortalecer e a reforçar as defesas do organismo.

Os frutos secos ou frutos oleaginosos são um prático snack ou um bom complemento de uma refeição. São muito energéticos (são ricos em calorias) e são uma ótima fonte de antioxidantes, ácidos gordos essenciais, minerais e fibra.

Para reforçar as defesas, opte pelos produtos frescos e da época. São mais ricos do ponto de vista nutricional, mais saborosos e mais econômicos. Mas lembre-se de variar, os vegetais de cor verde escura, como os espinafres, o agrião, o brócolis e as couves são ricos em ferro, enquanto os alaranjados, como a cenoura e a abóbora, são uma boa fonte de carotenos. Por isso, faça uma alimentação rica em vegetais variados, de forma a garantir o aporte de diferentes minerais e vitaminas.

Aproveite o inverno para cuidar ainda mais do corpo! Ele agradece.
Leia Mais

18/03/2019

Tofu: O que é, Benefícios e Como Fazer
18.3.190 Comentários
Um dos principais ingredientes da culinária asiática, o tofu é um tipo de queijo vegetal provindo da soja que é frequentemente consumido por quem busca diminuir o consumo de alimentos de origem animal.

O que é Tofu?

Alimento de origem vegetal que tem como principal ingrediente o leite de soja, o tofu é um dos produtos mais comuns da dieta vegetariana e vegana por apresentar grande disponibilidade proteica. Resultado de um processo em que o leite de soja é comprimido, reduzido, fervido e depois peneirado, o tofu é apresentado como um bloco que se assemelha a um tipo de queijo.
Apesar de sua semelhança física com o queijo, é importante destacar que o queijo de soja se difere em diversas formas deste outro alimento, principalmente no que se refere ao sabor e à composição. Por isso, é muito comum que haja rejeição num primeiro momento.

Lista de propriedades nutricionais do tofu

Porção de 100 gramas:
75 calorias
5 g de gorduras totais
2 g de carboidratos
10 g de proteínas
120 mg de potássio
350 mg de cálcio

O tofu ainda é uma boa fonte de nutrientes, como vitaminas B, D, E, F e K, ajudando no melhor funcionamento do organismo.

Benefícios do tofu

Alimento saudável e rico em nutrientes, o ideal é consumir o tofu de origem orgânica. Por ser um derivado da soja, essa atenção é bastante importante, uma vez que, na maioria dos casos, o grão que é utilizado como base para este alimento pode conter muitas alterações genéticas, além de uma quantidade alta de agrotóxicos.
Portanto, o tofu orgânico tem diversos benefícios para a saúde e, se consumido com regularidade e em quantidades adequadas, poderá ser aliado de uma vida mais saudável.

Fonte de proteína

Enquanto uma porção de 100 gramas de carne pode conter de 15% a 20% de proteínas, na mesma quantidade de tofu é possível obter uma quantidade próxima, variando de 10% a 14%, sendo uma ótima alternativa à proteína animal.
A soja é considerada uma proteína vegetal de alto valor biológico, ou seja, tem todos os aminoácidos essenciais em quantidade adequada. O tofu é a soja coagulada por um processo que neutraliza os antinutrientes presentes e melhora a digestibilidade.

Ajuda a emagrecer

O tofu oferece alto índice de minerais e proteínas com baixo teor de gordura e poucas calorias, sendo bom para a dieta.

Malefícios e contraindicações

A origem da soja que compõe o tofu precisa ser conhecida para que não existam malefícios no consumo. Como a maior parte do grão no mundo vem de grandes produções, tanto nos Estados Unidos como no Brasil há alteração genética dos grãos e uso de agrotóxicos, os quais podem ser nocivos à saúde.
Para todos os derivados, o ideal é que a soja seja orgânica para que não haja malefícios para seus consumidores.
O produto só é contraindicado para indivíduos com algum tipo de intolerância ou resistência à soja e pacientes com câncer de mama, visto que pode interferir com as medicações.

Tipos de tofu

O tofu pode ser preparado de diversas formas para o consumo, as quais se diferenciam pela textura e sabor:
Defumado: O tofu defumado mantém as propriedades do tofu comum e se difere apenas por sua maior concentração de proteína e sais minerais.
Contudo, a defumação pode ser associada ao uso de sais (cloreto de sódio, nitrito de sódio) e compostos benzopirenos, presentes na fumaça. Podem ter efeito maléfico na saúde quando consumidos em excesso. Por isso, recomenda-se limitar o consumo para poucas ocasiões.
Firme: O tofu firme, assim como o defumado, também é bastante concentrado em proteínas e pode ser preparado de diversas formas. Muito versátil, ele pode ser assado, grelhado, marinado, frito, ou ainda cortado em cubos para a utilização em sopas, por exemplo.
Macio: Diferente do mais firme, o queijo de soja macio tem concentração menos proteica por levar mais água em seu preparo. Idealmente, sua utilização é mais comum no preparo de mousses, cremes, pastas, maioneses ou, até mesmo, cru e acompanhado de shoyu e saladas.
Temperado: O tofu temperado é a derivação do tofu macio, mas com temperos. É comum nos sabores apimentado e ervas finas.

Como fazer Tofu?

Você mesmo pode fazer o tofu caseiro. É simples e barato:

Tofu Caseiro
400 gramas de soja
2 colheres de sopa de suco de limão
1,2 litro de água

Primeiro, é necessário preparar o leite de soja. Para isso, deixe a soja de molho por 12 horas. Escorra e lave. Coloque-a no liquidificador, cubra com água e bata. Coe o líquido, idealmente com um coador de pano, e o aperte bastante para sair o máximo possível.
Ferva o leite por 10 minutos e vá acrescentando o limão aos poucos. Quando começar a coalhar, tampe e deixe descansar por 10 minutos. Tire da panela e, com um pano, passe para um recipiente. Deixe fechado, descansando por 45 minutos. Depois disso, descubra e deixe descansar por mais 8 minutos.

Receitas com Tofu

Tofu grelhado

500 gramas de tofu firme
Sal a gosto
Orégano a vontade
Azeite a gosto

Tempere o tofu de acordo com o seu paladar e grelhe em fogo baixo no azeite. Deixe dourar e sirva.

Maionese de tofu
Ingredientes
350 gramas de tofu macio
2 colheres de chá de mostarda
Sal a gosto
20 ml de azeite
Suco de 1 limão

Misture todos os ingredientes com uma colher e passe para o liquidificador. Bata os ingredientes e sirva.

O tofu pode ser encontrado em supermercados e, principalmente, em lojas que vendem ingredientes de cozinha oriental. Também é comum adquiri-lo em feiras e lojas de produtos naturais.

Adaptado de Ativo Saúde
Leia Mais

15/03/2019

Fibras: Seus Benefícios e como Incluí-la em Suas Refeições
15.3.190 Comentários
É preciso resistir para não chamar as fibras de nutrientes. Mas a realidade é que falamos de um grupo que não chega a ser absorvido pelo organismo — por isso a nomenclatura não serve para elas. 

Ainda que passem quase ilesas pelo sistema digestivo, as fibras, presentes em leguminosas, cereais, hortaliças e frutas, colecionam feitos consideráveis durante sua viagem pelo corpo. 


Em setembro, 2 mil brasileiros responderam a um questionário online sobre hábitos alimentares e ingestão de fibras. Entre os achados, destaca-se o fato de que, embora 78% dos participantes tenham garantido comer fontes da substância, somente 37% disseram fazer isso mais de uma vez ao dia.

Hoje, recomenda-se que homens e mulheres consumam 38 e 25 gramas de fibras por dia, respectivamente. 

O consumo atual do brasileiro provavelmente não atinge sequer 50% das recomendações. Precisamos de estratégias para aumentar esse aporte.

Quais são os benefícios das fibras?


Primeiro, há uma ação mecânica, porque elas agem empurrando o bolo fecal, além disso, há versões que contribuem para aumentar o volume das fezes.
E o benefício na área não se restringe a mais visitas ao banheiro. A parte delas que é fermentada pelas bactérias serve de alimento para células da mucosa intestinal, com isso, as substâncias indiretamente facilitam o aproveitamento de nutrientes.
Aliás, é importante reforçar este ponto: embora não sejam absorvidas, as fibras passam por transformações. É o caso dessa fermentação por bactérias intestinais.

Como incluir fibras no café da manhã


Aveia

Seu farelo e a melhor alternativa para complementar o consumo diário de fibras, por ser uma fonte excelente e muito versátil. A aveia pode ser acrescentada a saladas de frutas, vitaminas e receitas de bolos e pães.
Duas colheres de sopa do farelo concentram, em média, 4,2 gramas de fibras. A farinha do cereal, cabe dizer, tem uma quantidade menor, já que é obtida a partir da trituração de todo o grão. O farelo vem da área externa, mais fibrosa.

Frutas

Também são pontos de concentração de fibras. Mas os teores variam. Para ter ideia, enquanto um kiwi reúne 1,7 grama desses compostos, a goiaba esbanja 4,5 gramas. Um belo motivo para diversificar o menu. 
Além de provar mais variedades, quando possível, mantenha a casca. Tem muita fibra escondida ali.

Granola caseira

Esse mix de cereais, frutas e oleaginosas pode ser encontrado prontinho no supermercado. Mas muitas marcas dão uma exagerada em ingredientes como açúcar. Compensa mais preparar sua própria granola — que é um poço de fibras.

Pães

Fazê-los em casa é o jeito perfeito de garantir um combo de fibras, com farinha integral, além de farelos e sementes. Ao comprar pães prontos, o segredo é investigar a lista de ingredientes, que está em ordem decrescente. Logo, os cereais integrais (e não a farinha branca) precisam surgir primeiro.

Sementes

São ótimas fontes de fibras e de substâncias antioxidantes. Ou seja, a turma é sucesso e merece espaço. Elas podem entrar em receitas como bolos e vitaminas e também adicionadas ao preparo de pães.
Uma colher de sobremesa de chia e linhaça reúne, respectivamente, 3,4 e 3,3 gramas de fibras. A semente de abóbora é outra ótima pedida: a colher tem 3,5 gramas das substâncias.

Clássicos em xeque

Tapioca: não tem fibras e pode fazer a glicose disparar. Para mudar seu perfil, acrescente sementes ou recheie com frutas.
Cereais matinais: em geral, tem tanto açúcar neles que nem as fibras conseguem amenizar os picos de glicemia. Ao comprar, verifique o rótulo.
Pão com leite: é o desjejum do brasileiro, né? Em vez de abandonar, opte pelo pão integral, bote aveia no leite e agregue uma fruta.

Como incluir fibras nos lanches


Mix de oleaginosas

Fácil, fácil de carregar na bolsa, um punhado de 30 gramas de nozes, castanhas, baru, amendoim e companhia cai como uma luva entre as refeições principais. Apesar de a quantidade ser modesta, acredite: a barriga fica forrada de verdade.
Isso porque a combinação de gorduras boas e fibras (olha elas aí!) torna a digestão mais lenta. Aliás, é justamente pela presença de gorduras que não se recomenda abusar. E lembre-se: varie os tipos de oleaginosas.

Frutas secas e liofilizadas

Ostentam fibras e são práticas. Mas tenha em mente que elas perdem água. Ou seja, os nutrientes surgem concentrados, incluindo o açúcar.
Logo, não exagere. As liofilizadas passam por um processo de baixa pressão e temperatura. Ficam mais crocantes, com conteúdo mais bem preservado.

Iogurte turbinado

O iogurte natural é desses alimentos que têm tudo a ver com uma rotina equilibrada: possui cálcio, proteínas e bactérias boas.
Para representar um lanche mais atraente ainda, é só acrescentar fibras. Elas podem vir por meio de sementes, oleaginosas e frutas desidratadas ou naturais. A granola caseira e a aveia também são excelentes parceiros.

Legumes

Cenourinhas vendidas em pacote, tomates-cereja e palitos de aipo e pepino. Recrutar esses vegetais para as refeições intermediárias dá um boom no consumo de fibras. Sem falar que são tranquilos de transportar.
Para quem deseja um lanche leve, essas opções fazem mais sentido do que castanhas e frutas secas.

Clássicos em xeque

Biscoitos: muitas vezes há açúcar e gorduras demais no pacote. E mais farinha branca do que integral. Olho na embalagem!
Barras de cereais: algumas ofertam tanto açúcar que convém chamá-las de doces. Poucas marcas são fontes de fibras..
Sucos de frutas: ao espremê-las, as fibras vão embora. Não coar dá uma ajudinha. A indicação é priorizar as frutas in natura.

Como incluir fibras no almoço e na janta


Arroz integral

Como 90% do farelo permanece nessa versão, ela é mais vantajosa em relação à refinada, que, durante o processamento, perde gorduras, vitaminas, minerais e fibras.
Mas há quem não se acostume com o sabor e a textura. Tudo bem. Ao escolher o arroz branco, dá para compensar com outros alimentos durante a refeição, como saladas cruas, verduras, legumes, feijão e frutas.
Se quiser ousar, recorra ao cuscuz ou à quinua — essa última tem até mais fibras que o arroz integral.

Leguminosas

O grupo conta com ervilha, grão-de-bico e lentilha. Mas o feijão é seu ícone máximo. Até porque é ele quem ainda provê boa parte da modesta quantidade de fibras ingeridas no Brasil.
Aconselha-se comer duas porções por dia. Por refeição, seriam duas partes de arroz para uma de feijão.
Infelizmente, especialistas têm notado uma queda no consumo do alimento. Para tê-lo diariamente, que tal cozinhar no fim de semana e congelar em pequenas porções?

Massas integrais

Também exibem mais fibras do que as refinadas — só que nem todos curtem. Se ficar com a massa branca, lance mão de estratégias para não acabar a refeição sem as substâncias.
São elas: abrir o menu com salada, privilegiar molhos com vegetais (como brócolis, cenoura e ervilha) e trocar o doce por uma fruta na sobremesa.
Há receitas de “espaguete” à base de pupunha e abobrinha que são ricas em fibras e menos calóricas.

Aveia

Você não leu errado: ela aparece aqui de novo. Lembra que foi definida como versátil? Não era exagero.
Como seu sabor é neutro, o cereal é adequado tanto para pratos salgados como doces. A aveia pode ser utilizada para engrossar caldos, sopas, feijões ou entrar em receitas de pães, panquecas e tortas.
Seus flocos ainda servem para empanar alimentos, como filé de frango ou bife bovino. Depois, leve ao forno em vez de fritar, tá?

Hortaliças

Outro time que não deixa a desejar no quesito fibras. E dá para enriquecer ainda mais um prato de folhas. Basta adicionar sementes e oleaginosas.
Já os legumes trariam mais vantagens se degustados crus. Quando isso não é possível, sugere-se refogá-los ou cozinhá-los no vapor para preservar os nutrientes.

Fruta com chia na sobremesa

Você já sabe que as frutas ocupam posto de prestígio em termos de fibras. E a sobremesa é mais uma oportunidade de trazer esses alimentos à mesa.
Mas, para esse momento, há outra opção bacana: a chia. Em contato com a água, ela vira uma espécie de gel, crescendo cerca de 15 vezes.
Tal característica a torna interessante para algumas receitas, como sagu. É só misturar a semente com suco de uva integral e deixar na geladeira por quatro horas. Prove com outros sucos.

Clássicos em xeque

Purês: de vez em quando eles são os escolhidos para fazer parceria com carnes. O detalhe é que o prato fica desprovido de fibras, porque o mexe-mexe as destrói. Não abra mão dos vegetais para dar largada a uma refeição como essa.

Sopas: As mais fibrosas são as preparadas com leguminosas ou as que têm vegetais folhosos, como couve e repolho. Além da aveia, farelos podem engrossar caldos.

Adaptado de Revista Saúde
Leia Mais

07/03/2019

Batata Frita Congelada: Mitos e Verdades
7.3.190 Comentários
Queridinha de consumidores de todas as idades, as batatas fritas têm tantos fãs que existe até um museu em Bruxelas dedicado a elas. Porém, enquanto é uma grande paixão para muitos, há ainda quem as tenha como vilãs, sobretudo quando se trata das pré-fritas congeladas.


Para esclarecer os principais diferenciais dessa iguaria, preparamos a lista abaixo com mitos e verdades sobre o processo de fabricação, o modo de preparo adequado e o consumo dessas delícias:

As batatas congeladas não são feitas com ingredientes naturais

Mito. Mesmo existindo opções em formatos moldados, como Smiles e Emoticons, o produto é feito da própria batata, que é apenas manipulada para ganhar novas formas ou cortes, aproveitando todas as partes do tubérculo no processo de fabricação. Essa padronização facilita também o momento do preparo final, garantindo que todas as batatas fiquem prontas ao mesmo tempo, sem o risco de algumas queimarem, enquanto outras ficam cruas.

Quem busca uma dieta equilibrada não deve consumir esse tipo de batata

Mito. Basta ter moderação na frequência de consumo e no tamanho das porções de qualquer alimento ingerido para ter equilíbrio na dieta. Preparar um prato equilibrado com diversidade de nutrientes, legumes, verduras e proteínas, também conta pontos para manter a dieta em dia e deixar a batata frita compor uma refeição sem pesar na balança e na consciência.

Mesmo as batatas congeladas feitas ao forno são pré-fritas

Verdade. Todas as batatas fritas preparadas com congelamento prévio passam por um processo rápido de fritura anterior que facilita o preparo na casa dos consumidores. A dupla fritura é inclusive um método usado por grandes Chefs para manter uma crocância superior. E não significa que essas sejam menos saudáveis do que as batatas preparadas em casa. Inclusive, o processo rápido e com imersão completa em óleo chega absorver menos gorduras que muitas frituras caseiras, que levam mais tempo de imersão incompleta no óleo.

As batatas congeladas possuem conservantes

Parcialmente verdade. A maioria das versões no mercado não possuem. O processo de pré-fritura com o posterior congelamento em baixíssimas temperaturas é o que conserva as batatas por 18 a 24 meses antes do consumo final. Alguns produtos conseguem ser 100% batata e não levam nenhum conservante por isso. O importante aqui é ficar de olho nos rótulos e escolher produtos de qualidade.

As batatas devem ser descongeladas antes de irem ao forno

Mito. As batatas congeladas devem ir do freezer direto para o forno, quando este é o modo de preparo indicado, para evitar que percam a consistência.

Batatas congeladas perdem o sabor natural

Mito. Se a qualidade do alimento é observada desde o seu plantio, com a atuação de especialistas que cuidem do solo até o armazenamento do produto, aliando tecnologias que favoreçam o processo, é possível manter o alimento naturalmente gostoso mesmo após o seu congelamento. 

Batatas congeladas têm prazo de validade

Verdade. Em média, produtos congelados duram de 18 a 24 meses no freezer, mantidos a -18º C de temperatura. Verificar um prazo de validade válido antes de consumir e manter o armazenamento correto garantem um produto de qualidade de acordo com os padrões de cada fabricante.

Adaptado de: Food News
Leia Mais

04/03/2019

Peixe Assado com Limão e Ervas
4.3.190 Comentários
Adoramos peixe e assado é uma das maneiras mais fáceis de se fazer sem ficar a casa inteira cheirando a peixe frito.
A forma de fazer é muito fácil e o forno é que faz a maior parte do processo para você!

peixe limão

Peixe Assado com Limão e Ervas

(Rende 4 porções - Tempo de Preparo: 40 minutos)

1 kg de peixe em postas (eu usei bacalhau fresco que achei aqui em Portugal, mas você pode usar o que mais gostar)
2 limões sicilianos
2 dentes de alho amassados
1/3 de xícara de ervas frescas picadas (usei coentro, manjericão e um pouco de tomilho, mas use as que mais gostar)
1 potinho de iogurte natural 
3 colheres de sopa de azeite de oliva
1 cebola
sal e pimenta a gosto

Lave o peixe e seque com papel toalha.
Misture em uma tigela o iogurte natural, as ervas, o alho e tempere a mistura com sal e pimenta.
Passe essa mistura pelo peixe, dos dois lados e deixe descansar uns 30 minutos. Se sobrar dessa mistura, pode colocar tudo por cima do peixe.
Unte a travessa que você vai usar para assar o peixe com azeite e coloque a cebola cortada em rodelas.
Coloque o peixe sobre as rodelas de cebola e despeje toda a mistura de temperos sobre os peixes.
Corte 1 limão em fatias e cubra os peixes. O outro limão, esprema o suco por cima de tudo e então regue com azeite.
Leve ao forno médio/alto, cerca de 200 a 220 ºC e deixe assar até ficar levemente dourado. O meu ficou 25 minutos, mas não deixe muito para não ressecar.
É normal formar um pouco de água na travessa, não tem problema nenhum. é só servir o peixe com uma escumadeira para a água escorrer.
Eu ainda coloquei uma pimentinha por cima e pronto! Ficou delícia!
Leia Mais

28/02/2019

Fatias Húngaras
28.2.190 Comentários
As fatias húngaras são a versão de coco dos também famosos cinnamon rolls. E nada mais gostoso que um pãozinho macio e gostoso saindo do forno, então vamos a receita:


Fatias Húngaras
(Rendem 12 pães - Tempo de Preparo: cerca de 3 horas)

Massa
250ml de leite integral morno
10g de fermento biológico seco
100g de açúcar refinado
80g de manteiga em temperatura ambiente (se você usar sem sal, acrescente uma pitada de sal. Se usar a manteiga com sal, não precisa. Eu usei manteiga com sal)
1 ovo grande
500g de farinha de trigo (e uns 50g a mais para dar o ponto, polvilhar onde você for abrir a massa e enfarinhar a forma)

Recheio e Cobertura
1 lata de leite condensado
100g de coco ralado 

Em uma vasilha coloque o leite morno e o fermento. (O leite quem que estar morno, pois se estiver muito quente ele pode matar o fermento. Para testar, coloque o dedinho dentro do leite. Você deve sentir ele morno mas não quente.)
Deixe descansar por 5 minutos.
Acrescente o açúcar, a manteiga (em temperatura ambiente), o sal e os ovos. Misture tudo muito bem e coloque a farinha.
Vá misturando tudo e se precisar, acrescente mais farinha aos poucos até que pare de grudar na mão. (no meu caso, foram mais 2 colheres de sopa de farinha de trigo)
Jogue um pouco de farinha na mesa e sove a massa de 15 a 20 minutos.
Coloque a massa em uma tigela limpa e cubra a massa com um pano úmido, deixe-a em um lugar quentinho e espere até que ela dobre do tamanho (aproximadamente 1 hora e meia).
Após a massa crescer, polvilhe um pouco de farinha na mesa e, com a ajuda de um rolo, abra a sua massa com mais ou menos meio centímetro de espessura.
Espalhe leite condensado e polvilhe coco sobre a massa aberta. 
Enrole a sua massa como se fosse um rocambole e corte em 12 pedaços iguais.
Unte uma forma com manteiga e enfarinhe com farinha de trigo e coloque os rolinhos com a parte cortada para cima, espaçados uns dos outros. Deixe descansar em um lugar quente por mais 1 hora.
Coloque no forno a 200°C por aproximadamente 45 minutos ou até que os rolinhos fiquem dourados.
Tire a massa do forno, espere esfriar e espalhe um pouco mais de leite condensado por cima. Salpique coco por cima de tudo e pronto!
Leia Mais

27/02/2019

6 Formas Diferentes de Preparar Ovo
27.2.190 Comentários
Extremamente comum na geladeira e nas refeições de qualquer um de nós, o ovo é um alimento muito versátil e muito usado como base de várias receitas. Mas há também formas de fazer ovo para ele ser, sozinho, uma refeição simples e rápida.

E convenhamos: ovo é muito fácil de preparar. Todos nós já sabemos como fazer o ovo da forma como mais gostamos. Mas será que sabemos mesmo? Separamos abaixo maneiras diferentes das quais você pode lançar mão para preparar seus ovos e utilizá-los nas refeições. Confira!

Ovo cozido

Selecione a quantidade de ovos desejada;
Coloque 1 litro de água fria em uma panela funda e leve ao fogo;
Não espere a água ferver para colocar os ovos na panela. Aproveite a água fria e, em seguida, tampe a panela para que a água ferva mais rapidamente;
Comece a contar o tempo assim que a água começar a ferver. Se quiser deixar a gema do ovo dura, deixe-o ferver por cerca de 7 a 10 minutos;
Se quiser a gema mole, deixe fervendo por aproximadamente 5 minutos;
Para fazer um ovo quente (com a gema bem mole), 3 minutos são suficientes;
Passado o tempo, desligue o fogo e despeje a água fervente na pia e deixe água fria cair sobre os ovos para esfriar um pouco a temperatura da casca;
Quando o ovo estiver um pouco mais frio e der para segurá-lo com as mãos, descasque-o retirando a casca com as mãos. 
Se você preparou ovo quente, retire somente a parte superior da casca para não derramar e coma com uma colherzinha.
Pronto! Seu ovo cozido está feito e você já pode comê-lo.

Ovo frito

Pegue uma frigideira e ligue em fogo médio. Num fogo muito alto, a parte de baixo frita rapidamente enquanto o resto da clara e da gema ainda estão cruas. Já num fogo muito baixo, vai demorar mais do que o necessário para fritar;
Basta uma quantidade muito pequena de óleo, azeite ou manteiga para que o ovo frite por inteiro;
Espere começar a fritar e feche a frigideira com uma tampa. Isso evita que você se queime, não suja o fogão e ainda ajuda o ovo a fritar por inteiro, tanto em cima quanto embaixo;
Em fogo médio, o ovo frito costuma demorar de 4 a 6 minutos para ficar pronto;
Se necessário, vire o ovo para que ele frite em cima também;
Fique atento à aparência do ovo para desligar o fogo quando a gema estiver no ponto desejado. Para que ela fique dura, é preciso fritar por um pouco mais de tempo;
Pronto! Com uma colher grande e furadinha, retire o ovo da frigideira e coloque no prato. Coma quentinho!
Você não precisa necessariamente fritar o ovo na frigideira. Mas se quiser, opte por aquelas frigideiras menores, pois elas evitam que o ovo cru se espalhe muito antes de começar a fritar.

Ovo mexido

O ovo mexido, acredite se quiser, pode ser preparado de diversas formas.
Para os mais “brutos”, basta quebrar o ovo numa frigideira e mexê-lo com uma colher de pau, até que fique no ponto desejado. Normalmente, com um fogo médio para alto, esse jeito irá propiciar aquele ovo mexido soltinho e sequinho, em grumos.
Se pretende servir algo mais cremoso, o jeito é utilizar um pouco de manteiga e misturar os ovos antes de colocá-los no fogo. Diversos países ao redor do mundo fazem o ovo mexido dessa forma, mas com pequenas variações que dão características diferentes.
Na França, por exemplo, o ovo pode ser feito em banho-maria, com um pouco mais de manteiga. Se quiser testar, vá mexendo e parando por aproximadamente seis minutos, obtendo quase um creme, ótimo para colocar em torradas.
Nos Estados Unidos, a diferença está no jeito de mexer: na frigideira, espere endurecer um pouco em baixo e, com uma espátula, puxe a borda para o centro. Repita isso algumas vezes por todo o ovo e tire do fogo antes de secar demais.

Omelete

Parece tão fácil fazer omelete. “É só quebrar o ovo, esperar e dobrar.”
Mas cuidado: é bom não menosprezar a omelete dessa forma. Especialmente por ser um prato tão simples e rápido, alguns cuidados a mais poderão fazer toda a diferença no final.
Use alguma frigideira, coloque no fogo médio com um pouco de azeite extravirgem e manteiga a gosto. Quebre os ovos num outro recipiente, adicione sal se preferir e misture-os. Quando o azeite já estiver quente e a manteiga derretida, despeje os ovos.
Nos primeiros segundos, você pode ir descolando as bordas da omelete para evitar que fique grudado. Após meio minuto, irá notar uma camada um pouco mais dura embaixo e a parte de cima ainda mais crua. Agora é o momento de adicionar o queijo e outros recheios – pode inventar o que quiser.
Em cerca de dois minutos, provavelmente sua omelete estará boa para ser dobrada com uma espátula. Para ter certeza, pegue a frigideira e dê uma mexida, vendo se o ovo inteiro desliza como algo uniforme. Não espere a parte de cima do ovo secar, pois isso quer dizer que passou do ponto.
Depois de dobrado, tire do fogo e é isso. Basta servir e comer ainda quente.

Dá uma olhada nessa receita de Omelete de Forno.


Ovo assado

Assar os ovos no forno é menos comum no Brasil, mas vale a pena testar em casa. Primeiro, pré-aqueça o forno a uma temperatura entre 160° e 190°. Então, pegue uma tigela pequena que possa ir no forno, unte-a e quebre o ovo dentro, cuidando para manter a gema intacta.
Esse preparo permite ser mais criativo. Antes de despejar o ovo, você pode colocar cebola e tomate na tigela, ou cogumelos, por exemplo. Depois, ponha sal, pimenta, queijo, o que quiser — há receitas, inclusive, que sugerem um pouco de leite ou creme de leite.
O ovo deverá permanecer no forno entre 12 a 20 minutos. Novamente, vai depender de como você prefere sua gema.

Dá uma olhada nessa receita de Ovos Rancheiros!


Ovo poche (ou pochê)

Provavelmente o jeito mais inusitado no Brasil, o ovo poche é muito utilizado em cafés da manhã na América do Norte. Sua receita é um pouco diferente, mas nada muito complexo.
Tenha o ovo quebrado em uma vasilha antes de começar. Se for fazer mais de um, não misture! É importante também que o ovo esteja fresco.
Ponha água para ferver numa panela. Assim que ela começar a dar sinais de que vai entrar em ebulição, com as primeiras bolhas aparecendo, tire do fogo. Espere a água acalmar, despeje o ovo e deixe-o lá. Por mais que pareça que a clara se espalhou, ela irá firmar em volta da gema.
Após três minutos, você poderá retirar o ovo. Um ovo poche perfeito terá a clara bastante firme e a gema derretida por dentro.

Como saber se o ovo está fresco

Antes de tudo, precisamos saber se o ovo não está estragado. E descobrir isso é muito fácil: se tiver passado muito do ponto, assim que você quebrá-lo vai sentir um cheiro muito ruim e característico. Geralmente, além do odor, é possível perceber que um ovo está estrago pela coloração estranha e clara mais líquida.
O jeito mais certeiro mesmo é mergulhar o ovo em um copo de água fria. Se ele estiver no ápice de seu frescor, irá aterrissar de lado no fundo do recipiente. Se estiver de pé e com a parte mais larga para baixo, já passou do seu melhor momento, mas ainda está bom.
Após algumas semanas na geladeira, ele pode afundar de pé, mas com a parte mais fina para baixo. Isso significa que não está mais fresco, mas ainda pode ser consumido.

Se o ovo boiar, desista. Não precisa nem abrir para saber que está estragado.

Gostou dessas formas de cozinhar ovo? Você pode usar e abusar da criatividade para deixar suas receitas que levem ovos ainda mais saborosas.

Adaptado de Ativo Saúde
Leia Mais

LinkWithin

Licença Creative Commons
Menu Criativo de Ana Paula Castelli está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional

Menu Criativo® é uma marca registrada por Ana Paula Castelli sob nº processo 906768420 no INPI.